13 de jul de 2010

O Ser Cristão - Devocional



Qual é a característica mais significativa de um Cristão? Quais são as assertivas inequívocas que confirmam nossa prole divina? Certamente falsas respostas devem ser previamente dissipadas, no afã de se evitar que, qualquer que porventura tente ler este texto, julgue minhas indagações simplistas, posto que existam dirá o precipitado, inúmeras evidências que certificam que muitos são cristãos. Ser Cristão, contudo, não consiste em jactar-se por frequentar uma capela onde jaz a cruz como principal ornamento; Ser cristão não consiste em prosapiar para os amigos a aquisição de novas funções institucionais adquiridas; Não se delimita em ir semanalmente aos cultos, e como muitos dizem assistir a tais cultos; Ser cristão não se exprime em viver sob uma redoma de usos e costumes, que mais desumanizam os seres humanos, do que os tornam mais parecidos com Jesus, e àqueles, no desejo de serem fiéis a costumes, fracassam em ser fiéis ao evangelho, renegando a nada os frutos dignos de arrependimento, que são de fato as verdadeiras evidências de que somos regenerados por Deus; Ser cristão não significa lograr êxito na organização de determinados congressos, que mais servem para potencializar o nosso ego egoísta, do que para louvar a Deus; Congressos esses que mais servem para superestimar as vozes dos que cantam, os famigerados jargões dos que pregam, e o sucesso de quem esteve por trás dos bastidores segurando as cordas do peso da cortina, enquanto o espetáculo se desenrolava. Ser cristão não consiste em vestir a camisa de um conjunto, convenção, Igreja, legado pastoral, templos, pessoas, ou quaisquer possíveis objetos de idolatrias; Mas ser cristão, significa em atentarmos, antes de tudo, a uma tão grande salvação a nós revelada (Hb 2.3). Ser Cristão é ser pecador, suficientemente pecador para que a Graça dignifique o efeito de nossa justificação. Ser cristão é subir despojado ao “templo”, e meneando a cabeça ao ver o seu eu impiedoso, vislumbrar o abraço da misericórdia com a justiça de um Deus que justamente salva o digno de morte (Lc 18.13). Ser cristão consiste em saber que é digno do inferno, mas que milagrosamente se vê fora dele, e quando olha ao ser redor, sedento por explicações que justifiquem a não-imputação do seu soldo merecido, é transportado para o dia em que o Deus homem morre e ressuscita e, em decorrência de sua salvação, a cédula que nos culpa é riscada e a ira do Pai que arvora contra nós é aplacada (Cl 2.14). Ser Cristão consiste em compreender a magnitude do evangelho que nos salva sem as obras (Rm 4.4,5). É levar a sério a inabilidade do homem diante dos mandamentos de uma lei perfeita, e saber que é tão somente por meio da justiça de cristo imputada em nós, que seremos vistos como santos aos olhos de Deus e conseguiremos levar a efeito o cumprimento de seus maravilhosos mandamentos. É saber que a fé na obra do justo Jesus, estende-nos a sua obra, assim como a seiva da videira é distribuída por sua raiz aos galhos que por ela frutificam em bom tempo o seu fruto (Jo 15). Ser cristão é saber que antes do amor de Deus nós não amávamos a Deus. Que éramos ovelhas desgarradas que seguíamos o nosso caminho ao ermo, pois não há bem em nós sem o bem de Deus por nós (Is 53.6). Ser Cristão é dar Glória a Deus por tudo que ele é, e não pelo que ele nos dá, ou por aquilo que pensamos que ele nos dá, quando ele, aquilo, não nos deu, e que nossas posses são triviais, e não podem ser evocadas para legitimar nossa herança na redenção. Adorar a Deus não é medirmos o quanto temos para reconhecermos o quanto ele é por nós (Rm 11.36). Ser Cristão consiste em rejeitar veementemente a teologia da prosperidade pelo primeiro e suficiente motivo de que o Deus Todo Poderoso, não veio ao mundo em um cavalo alado, ostentando majestade, para que de súbito, os maus se prostrassem diante dele com uma devoção mesclada com temor por vê-lo, ato típico de um vassalo compulsoriamente submetido; e sim por saber, que Deus, encarnou-se como um de nós (Fp 5.6) e na falta de uma rústica estrebaria para ser humanamente gerado, deu boas-vindas ao mundo ladeado de capim, e a sua frente o boi a ruminar. ELE sendo rico se fez pobre (2 CO 8.9) Ser Cristão é ocupar-se alegremente com as escrituras, ao invés de madrugar em montes, esperando os adivinhos manipularem as emoções dos incautos (1 Jo 4.1). O Cristão ama a Escritura, pois sabe que tudo o que dantes foi escrito (Rm 15.4), não o foi para ser desconsiderado ou desestimado, enquanto estendemos as cantarolas em nossos cultos antropocêntricos, e sim para nosso ensino foi escrito, para cativar a mente aos desígnios de Deus, meditando em sua rica palavra. Ser Cristão é declarar que Deus é Soberano e que seus caminhos são inescrutáveis (Rm 11.36). Que ele fará o que lhe apraz, pois lhe agrada revelar no mundo a consecução de seus planos, tão somente para o louvor de sua imponente Glória (Is 55.11 – Is 43.13 – Dn 4.35 – IS 46.10). Deus não faz nada a contragosto, não erra, não vê a sua frente um destino dando-lhe inúmeras alternativas para que ele escolha a que melhor lhe convier, com base no mérito humano, não! O cristão sabe que Deus tudo sabe e o seu plano é seu decreto inamovível. O Cristão não vê Deus como um subserviente com “bandeja nas mãos e borboleta de garçom no pescoço”, pronto a atender as petições que a todo tempo lhe são feitas por “cristãos” inconseqüentes que acham que seja possível encurralar Deus na parede por meio de sete dias de campanhas, antes sabem que Deus não toma conselhos com homens, e concede aos homens aquilo que desejar.  Muitos querem ser cristãos, pelo simples motivo de alegarem devoção simplesmente em decorrência de estar num culto, terem um cargo ou coisas congêneres, ou ainda porque se julgam inerentemente justos o suficiente para receberem de Deus o louvor. Contudo, ser cristão, redundará em crermos que somos justos e santos, porque ele nos amou primeiro, dando-nos o espírito da reconciliação, que capacita-nos a dizermos o sim que Ele espera receber, para o louvor de sua Glória Eterna (2CO 5.18).

“Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.” Romanos 11.36

Graça e Paz
Mizael Reis

5 comentários:

  1. Paz do Senhor Mizael!!!

    É bom ve-lo na blogsfera.

    Me add no msn: jeanpatrikcontato@hotmail.com

    O meu blog creio que sabe como encontra-lo.

    Um grande Abraço
    Jean Patrik

    ResponderExcluir
  2. O Mizael, ao olhar o seu blog percebi que você segue varios blogs calvisnista.
    Por acaso você seria um Assembleiano Calvinista?
    Risos
    Fique tranquilo pois não irei escalizar-me, independente da sua resposta.

    Mas que é engraçado é!

    Graça e Paz!!!

    ResponderExcluir
  3. Jean,

    Quanto a soteriologia sou reformado, e quanto a Pneumatologia sou Continualista. Não se escandalize, não há motivos para isso.

    Graça e Paz
    Mizael Reis

    ResponderExcluir